Organizadores de plástico: quantos tipos existem e para que servem?

Blog

Organizadores de plástico: quantos tipos existem e para que servem?

           A cada dia, mais empresas, independentemente do segmento em que atuam, buscam alternativas para reduzir os custos com locações de espaços, ampliar a capacidade interna de armazenamento e otimizar o transporte e a logística de seu negócio, além de promover um atendimento personalizado ao cliente durante sua experiência de compra. Justamente por isso, desponta como um investimento de excelente custo-benefício a aquisição de organizadores de plástico, que auxiliam no alcance desses aspectos.

          Pensando nisso, preparamos um post que vai servir como um guia para você descobrir como isso é possível, quais os modelos disponíveis para o seu negócio e qual a finalidade de cada um deles. Curioso para conferir? Então vamos lá!

 

Grades

Para começar, há as grades plásticas. Elas têm um visual arrojado com alças salientes que são tanto ótimas para manuseio — devido ao aspecto anatômico delas — quanto excelentes para o empilhamento, uma vez que são encaixáveis. Mas não só isso, já que dispões de cores variadas, espaço para gravação hot tamping e base com capacidade de esterilização e higiene facilitada.

Justamente por essa razão, elas são utilizadas em larga escala para o transporte, armazenamento de pães. Afinal, estabelecimentos do seguimento de panificação que não conservam adequadamente eles e ainda adotam técnicas antiquadas de acondicionamento, como uso de plásticos e cubos de vidros, acabam tendo perdas consideráveis do que é produzido diariamente.

Ou seja, eleva-se o desperdício de alimento ao mesmo tempo que também potencializa-se o déficit de caixa. Isso ocorre porque os pães mal armazenados sofrem diretamente com as mudanças de temperatura e falta de ventilação que provocam um processo químico no amido deixando-o duro não apenas na crosta, mas também no miolo.

Para piorar, os espaços que citamos elevam a fermentação da massa e isso provoca o desenvolvimento de mais fungos responsáveis pelo bolor na superfície dos pães.

É por essa razão que as grades plásticas são tão indispensáveis, uma vez que não oferecem bloqueios à circulação de ar e não intensificam o calor sobre eles mesmo depois de estarem finalizados — o que, erroneamente, acaba retirando a umidade interna do alimento.

Porém, os benefícios da bandeja não se resumem apenas a isso. Elas também servem, por exemplo, para a exposição de alimentos em mesas, balcões, bancadas ou prateleiras de diversos negócios, como lanchonetes, cafeterias bistrôs e confeitarias.

Por conta disso, o empreendimento solidifica junto ao cliente a imagem de variedade de preços e, principalmente, uma gama diversificada de produtos disponíveis — ação simples, de baixo custo e que impacta positivamente o posicionamento do local junto à comunidade. Além do já citado, as bandejas trazem mais um benefício: a usabilidade.

Isso porque não é apenas pães — como bisnaga, pão de forma, croissant e baguete — que podem ser armazenados, transportados ou expostos. Ao contrário, as grades plásticas também podem servir para as mesmas funções, mas voltadas para salgadinhos, esfirras, empanados, pães de queijo e de batata, biscoitos, tortas, bolos e muito mais.

Outro ponto que mostra a eficiência dessas peças, é que o consumidor tem mais liberdade para pegar a quantidade de itens que deseja sem precisar de um funcionário para isso, o que pode representar demora no atendimento e mais custos com mão de obra.

 

Gaveteiros

Outra opção de organizadores de plástico são os gaveteiros. Eles são peças que têm tanto o fundo quanto as lateiras fechadas, espaço para cartão de identificação e vão frontal para armazenar e retirar peças.

Assim, contam com uma vantagem bastante interessante: podem ser usados individualmente, em especial quando não há muitas peças para estocar, e também como peças de um estante, uma vez que possuem encaixes traseiros com essa finalidade.

Devido aos modelos com capacidades distintas de contenção, eles se tornam bastante frequentes em três áreas de diferentes segmentos como verá abaixo:

 

Almoxarifados e armazéns corporativos

Em ambientes corporativos, especialmente os de médio e grande porte, é comum a adoção tanto de um almoxarifado quanto um armazém. O primeiro, por exemplo, é utilizado para estocar e repor os suprimentos do escritório, como ferramentas, materiais gráficos, produtos de limpeza, itens de copa e cozinha, embalagens e eletrônicos.

Já o segundo, por outro lado, é dedicado ao armazenamento de documentações, arquivos, gráficos de dados, despachos, concordatas, termos, portarias etc. Em ambos, é claro, são usados não apenas um, más vários gaveteiros que facilitam a organização, etiquetação, inventários e novos pedidos de licitações internas e externas, quando é caso.

 

Estoque de indústrias metalúrgicas e mecânicas

Nos segmentos metalúrgicos e mecânicos, os gaveteiros também são organizadores de plástico bastante frequentes em estoques internos — sendo montados, preferencialmente em armazéns ou setores de armazenamentos complexos.

Isso se deve ao uso deles servirem para contenção e controle de pequenos componentes que são utilizados massivamente independente de qual seja o processo, como é o caso da laminação, treflação, usinagem, funilaria, montagem, fundição, instalação elétrica e estiramento.

Alguns dos itens encontrados nos gaveteiros são rolamentos, velas, correias, parafusos, roscas, tuchos, amortecedores, prensas hidráulicas, injetores elétricos, bombas de ar, coquilhas, extratores, filtros, ferramentas etc.

 

Farmácias hospitalares ou clínicas

Nesta última área, os gaveteiros funcionam como estoque de suprimentos médicos para reposição, seja em hospitais, clínica ou ambulatórios em ambos. São fármacos simples e de uso restrito, ativos químicos, vacinas, itens de primeiros socorros (gases, esparadrapos, algodão, soro fisiológico etc) entre outros que são usados, principalmente, em atendimentos de emergência e urgência.

É por serem tão importantes para o trato clínico e medicação de pacientes, que a gestão das farmácias tem um peso muito importante para esses serviços e é acompanhada de perto tanto pelo Ministério da Saúde quanto órgãos de fiscalização municipal e estadual.

 

Bandejas

Empresas que desejam organizadores de plástico que sejam versáteis, com laterais e fundos fechados, bordas de fácil manuseio, estrutura reforçada e resistente, também podem adquirir as bandejas plásticas que são itens cada vez mais almejados pelo custo-benefício e alta utilidade.

Afinal, elas possuem uma dimensão compacta e de fácil higienização que, acima de tudo, proporciona um empilhamento que otimiza o espaço disponível para elas — uma vez que essas peças não geram volume —, sendo indicadas, inclusive, para armazenamento em ambientes com proporções reduzidas. Elas podem ser utilizadas para diferentes funções, contudo, algumas se destacam como você verá abaixo:

 

Na indústria alimentícia

Auxiliando o processo de produção alimentícia, as bandejas permitem, em toda a cadeia produtiva, o agrupamento transporte e contenção de alimentos e ingredientes que serão utilizados em cozimentos, preparos, resfriamentos e compressões para enlatados. Os itens que passam por eles são inúmeros, mas entre os mais frequentes estão:

·         proteína animal: carne, frango, ovos e peixes;

·         tubérculos: mandioca, batata, inhame etc;

·         massas: pães, farinha, macarrão etc;

·         grãos: feijão, ervilha, arroz grão de bico, lentilhas etc;

·         derivados do leite: manteiga, iogurte, coalhada, queijo e requeijão;

·         condimentos: adoçantes, vinagre, alho, páprica, sal etc;

·         ervas: salsa, coentro, alecrim, manjericão, hortelã, orégano etc; e

·         especiarias: alcaparra, gersal, noz moscada, canela, pimenta, curry, cravo, cominho etc.

 

Na indústria calçadista

Aqui, as bandejas plásticas ocupam o importante papel de transporte de peças para a confecção e tecelagem de tênis, botas, sandálias, chinelos, tamancos, sapatos, plataformas e demais modelos encontrados no mercado.

Para isso, elas armazenam em diferentes divisões, elaboradas a partir de cada uma das etapas da cadeia produtiva, os itens que serão usados na produção dos calçados. Há as que conduzem, por exemplo:

·         tecidos: couro, lona, plástico e borracha;

·         aviamentos: linhas, barbantes, fitas, elásticos, agulhas, furadores, tesouras, pinças, fechos etc;

·         fibras têxteis: naturais (lã e algodão), sintéticas (poliéster, elastômeros e náilon) e artificiais (bambú, acetato e modal).

 

Em supermercados

Costuma servir para transporte de pequenos e médios alimentos que necessitam de airamento e não podem sofrer contrição para que a estrutura que possuem não seja danificada e, com isso, se tornem um prejuízo para o comércio — visto que os clientes não vão consumi-los por levarem em conta o aspecto estético dos produtos em questão.

Alguns exemplos são as frutas (amoras, cajus, mirtilos, marmelos, guaranás, cerejas, mangas, pequi etc) os doces (mousses, cookies, bolachas, pudins, bolos, docinhos, cookies etc) e os salgados (empadas, sanduíches, quibes, hambúrgueres, quiches, pastéis etc).

 

Caixas

As caixas são acessórios que podem (e devem) ser usados em diferentes empreendimentos, sejam eles comerciais ou industriais. Isso porque permitem a armazenagem, o reservamento e o transporte simplificado. Além disso, possuem outras características, como higienização prática e fácil, conservação elevada de produtos — inclusive os perecíveis — e elevada capacidade de litragem.

Outro aspecto importante, é que estão disponíveis diferentes modelos que podem atender às suas necessidades. Vamos conferir as especificidades de cada um?

 

Caixa plástica vazada

caixa plástica vazada pode ser encontrada em tamanhos grande e médio, mas a estrutura é bastante similar em diferentes modelos. Isto é, os fundos são frequentemente arrendondados, as laterais são vazadas e ela dispõe de uma excelente capacidade tanto de armazenamento quanto de empilhamento.

Por ser um dos organizadores de plástico mais versáteis encontrados no mercado, é possível utilizá-lo para infinitas finalidades, especialmente quando envolve carregamento e contenção. Abaixo, citamos algumas delas:

·         transporte de frutas: melancias, abacaxis, tangerinas, melões, acerolas etc;

·         transporte de frangos, carnes e pescados: peixes, mariscos, carne (bovina e suína) e aves;

·         transporte de bebidas em mercearias e mercados: refrigerantes, caixas de suco, bebidas alcoólicas etc;

·         transporte de alimentos em confeitarias: massas, enrolados, bolos, tortas e pães recheados; e

·         transporte de peças metalúrgicas: alavancas, arruelas, suportes, abraçadeiras, polias, estabilizadores etc.

 

Caixa plástica fechada

Já a caixa plástica fechada, por sua vez, conta com um vão interno liso — o que permite um maior volume de armazenagem e empilhamento —, área para inclusão de etiqueta e tampa facultativa para cerrar o espaço interno. Dessa forma, oferece maior conservação, proteção e durabilidade ao que está contido dentro dela. Ela serve, em especial, para o armazenamento de:

·         arquivos empresariais: documentos, papeladas, pastas e encadernações;

·         produtos da indústria alimentícia: leite e derivados, sucos em caixa, café, mistura para bolos, bebidas diversas, bolachas e afins etc; e

·         produtos da indústria automotiva: válvulas, conectores, sensores, tubos, buchas, pinos, travas etc.

 

Caixa KLT

Outro modelo de caixa é a KLT, que possui estrutura reforçada, especialmente por ter paredes internas duplas, área para inclusão de etiqueta e tampa facultativa. Fora isso, o seu fundo tem a peculiaridade de ser em formato lego. Ou seja, é adaptado para amarração e maior estabilidade em empilhamentos de cargas.

Ela é utilizada em larga escala para a movimentação e contenção de peças na indústria automotiva, ela se tornou item essencial em diferentes etapas da cadeia produtiva desse ramo, pois auxilia na distribuição de materiais que atendam às mais diferentes áreas, tais como:

·         pintura: tintura automotiva em spray, cola silicone e adesivos de soleira;

·         acessórios comuns: racks transversais, pedais, correntes, spoilers laterais, fechaduras, maçanetas, entrada de ar e retrovisores;

·         acessórios elétricos: alto-falantes, antenas, sintonizadores, fontes, amplificadores, cabos, disjuntores e conversores;

·         peças correlacionadas aos pneus: calotas, compressores, calibradores, tarraxas, câmeras de ar e infladores;

·         utilitários para suspensão: molas, terminais de direção, buchas, manômetros, mangueiras e bolsas de ar pneumóticas;

·         óleos e afins: lubrificantes, óleos, ceras e fluidos;

·         utilitários para freio: pastilhas, discos, interruptores de pressão e cilindros;

·         itens para acabamento externo e interno: insufilm, soleiras, suportes, parafusos, arruelas, porcas e folhas (aço, metal, plástico e derivados);

·         parte elétrica: baterias, soquetes, interruptores e fusíveis; e

·         itens de ignição: velas, cabos, módulos, bobinas e sondas.

 

Caixa para medicamento

Por último, temos a caixa para medicamentos. Ela é voltada tanto para a armazenagem quanto para o transporte deles.

Isso se dá por conta do espaço interno melhor dimensionado, encaixe otimizado, vértices passíveis de lacre simultâneo e tampa para vedamento — que inibe a ação de agentes externos que são capazes de alterar um ou mais componentes químicos da fórmula dos fármacos. Alguns exemplos de remédios que são conservados e acarreados nela:

·         medicamentos líquidos: colírios, xaropes, soros fisiológicos, lubrificantes, antissépticos bucais, ampolas;

·         medicamentos pastosos: cremes, pastas, pomadas e géis; e

·         medicamentos sólidos: comprimidos (simples ou revestidos), pastilhas, pílulas, sachês, flaconetes e cápsulas.

 

Cestos

Os cestos, por sua vez, são organizadores de plástico divididos em dois segmentos: os expositores e os de supermercado. Cada um conta com especifidades próprias para o negócio em que você se encontra, porém, ambos são úteis para a experiência de compra do cliente na empresa ou empreendimento. Afinal, facilitam o manuseio, o transporte e a armazenagem de produtos e alimentos. A seguir, você vai conferir um pouco sobre cada um deles:  

 

Cesto expositor

O cesto expositor tem uma dupla função para os estabelecimentos. Ele serve para organizar o que é apresentado no interior do estabelecimento, melhorando a estética visual interna, e permitir que o consumidor tenha acesso simplificado aos produtos que são vendidos.

Ou seja, evita que ele perca mais tempo procurando por algo que não é devidamente sinalizado ou que não conte com espaço demarcado — o que afeta negativamente a experiência do freguês. O cesto expositor está presente em:

Para metodizar, em armarinhos, itens como

·         tecidos: tule cetim, seda, viscose, sarja, crepe, lã e algodão;

·         acessórios: botões, fitas, colas, zíperes, fivelas, lantejoulas e bastidores; e

·         produtos para costura: linhas, agulhas e alfinetes.

Para ordenar, em lojas de construção, peças como:

·         ferramentas: sopradores, chaves de fenda, chaves inglesas, espaçadores, martelos, marretas, alicates, trenas, ventosas, pulverizadores e esquadros;

·         acessórios de iluminação: lanternas, lâmpadas e luzes de emergência;

·         itens para pintura: lixas, corantes, tintas em spray, bandejas, rolos, texturas, colas, fitas e pincéis; e

·         materiais para revestimento: rejuntes, pastilhas ladrilhos e impermeabilizantes.

Para expor, em autopeças, produtos como:

·         utilitários: capas de carro, suporte para celular, limpador de ar-condicionado, capas para bancos e adesivos;

·         peças de veículos: limpador para-brisa, conjunto de tapetes, lanternas, faróis, retrovisores e para-lama.

Para separar e evitar possíveis compressões, em feiras e fruteiras, de alimento como:

·         frutas: laranjas, mexericas, goiabas, morangos, mamões, peras e uvas;

·         hortaliças: berinjelas, brócolis, palmitos, alfaces, rúculas e repolhos; e

·         leguminosas: cebolas, rabanetes, aspargos e cenouras.

 

Cesto de supermercado

Passemos agora ao cesto de supermercado. Ele que é bastante tradicional e conhecido em todo o território nacional visto a larga utilização por conta dos consumidores que buscam adquirir poucos itens que, consequentemente, dispensa a utilização dos carrinhos de compras. Inclusive, muitas vezes, esse consumo mais otimizado e rápido permite o acesso aos caixas de volume reduzido (10 a 20, por exemplo).

É um modelo que possui toda a sua estrutura vazada para evitar o abafamento do que é guardado em seu interior e dispõe de alças convencionais para um melhor manuseio de quem o segura. Ele é facilmente encontrado, devido a praticidade e conforto que oferece, em:

·         fruteiras e mercearias: para facilitar o armazenamento de frutas e, principalmente, verduras que podem oxidar ou mesmo estragar pela ausência de ar em espaços fechados;

·         farmácias: para transportar de maneira mais ágil todo tipo de medicamento (líquidos, pastosos e sólidos), além de suplementos, produtos de higiene, itens para cuidados com bebês e afins até o caixa;

·         padarias: para estocar momentaneamente produtos como leite e derivados pães, bolos, tortas, salgados, canjas, frios, doces, sorvetes e muito mais; e

·         mercados, supermercados e hipermercados: usado, principalmente, por quem fará compra de poucos produtos e anseia atendimento otimizado com filas reduzidas. Bebidas (incluindo alcoólicas), frios, carnes e peixes são alguns exemplos de itens frequentemente transportados no cesto.

 

Estantes

Por último, há as estantes organizadoras, que desempenham um papel de suma importância em indústrias e estabelecimentos comerciais que mantêm estoques, galpões e armazéns. Afinal, independente do tamanho destinado a esse espaço, é necessário o uso desses acessórios pelas seguintes questões:

Organização

Recintos, mesmo com proporções significativamente menores, podem se tornar um caos para o negócio caso os produtos comercializados sejam apenas depositados no espaço sem nenhum tipo de gestão.

Isso pode resultar, por exemplo, em mais tempo para recolhimento de itens e até mesmo danificações ou deformações que podem ocorrer por empilhamento de peças que não devem ser comprimidas ou receber pressão.

Controle

Além dos casos citados há pouco, as estantes fornecem uma vantagem direta sobre a administração financeira do seu empreendimento. Afinal, você evita gastos extras com eventuais perdas de peças, acessórios que não possuem o devido controle sobre expiração e produtos que necessitam de manuseio e disposição especiais por sofrem reações causadas por “N” fatores (iluminação, umidade, ventilação etc).

Armazenamento

Outro aspecto benéfico das estantes é que elas permitem que a sua logística seja otimizada. A razão disso é que você ganha em espaço no seu estoque, armazém ou galpão por explorar as áreas verticais e poder armazenar produtos que têm mais saída no seu negócio. Ou seja, você sempre contará com uma reposição mais ágil e eficiente de itens esgotados evitando, assim, a evasão de consumidores.

Já em empresas com provisão interna de mantimentos (como almoxarifados) que são vitais para o bom funcionamento de salas, escritórios, departamentos e setores, elas facilitam inventários e a compensação de acessórios.

Etiquetagem

Os produtos, especialmente aqueles fornecidos por estabelecimentos e comerciantes do segmento têxtil, precisam conter sempre disponíveis com as etiquetas com os dados que seguem a cartilha do Inmetro. Logo, dispor de uma reserva para a produção, separada por medidas e especificações, é essencial.

As estantes possuem diversos modelos que alternam, entre si, quanto às dimensões (alturas, larguras e comprimentos) — o que aumenta ou diminui a quantidade de colunas e gaveteiros. Também é possível encontrar estantes mistas, que possuem gaveteiros de diferentes níveis de armazenamento para quem necessita maior variedade para organizar produtos com tamanhos diversos.

Isto é, você conta com mais alternativas de acordo com a demanda do seu negócio e o espaço disponível para iniciar ou melhorar o estoque local. A longo prazo, a adoção das estantes podem impactar, inclusive, em menos custos para o estabelecimento em que você atua. O motivo disso é que elas ajudam a inibir custos adicionais com a locação de self-storages justamente para serem usados como armazéns e estoque em ilhas.

Viu só como os organizadores de plástico são de extrema valia para qualquer negócio? Por isso, não deixe de conhecer mais a respeito de grades, gaveteiros, bandejas, caixas, cestos e estantes e constatar como adquiri-los vai maximizar o controle, armazenamento e logística da empresa!

E, se você gostou deste post, não deixe de nos seguir no Facebook para conferir outros temas relacionados às possíveis melhorias para seus negócios!

Curta e compartilhe:

Comenta aí, esse conteúdo foi útil para você?

Confira também:

As 8 maiores vantagens de transportar produtos em caixas plásticas

Cadeia de suprimentos: afinal, o que é e porque é importante?

Cidade holandesa será 1ª a ter estrada de plástico reciclado